O HOMEM DE AÇO

 

Christopher Reeve protagonizou quatro filmes do Superman, e principalmente em função dos dois primeiros, tornou o personagem icônico nos cinemas, porém de lá pra cá passaram mais de 30 anos, com diversas brigas judiciais sobre os direitos do personagem para o cinema e com uma versão “homenagem” dirigida por Brian Singer em 2006 que foi absolutamente ofensiva com a memória do super-herói de tão sem nexo que foi. Já essa nova adaptação de fato resgata os bons momentos e entrega um Homem de Aço coerente, com os confrontos que faltaram no filme de Singer, assim como um drama bem construído e não o melodrama da versão de 2006.

Neste Homem de Aço, já iniciamos acompanhando o colapso de Kripton, conhecemos Jor-El, Lara e o General Zod e o envio de Kal-El ao planeta terra. Em nosso planeta já acompanhamos Clark em vida adulta.

Alguns criticaram a estrutura narrativa do filme, mas achei a mesma coerente, quando Clark é apresentado pela primeira vez, já esta em vida adulta, tentando se encaixar em nosso planeta, acompanhamos como foi sua infância apenas em flashbacks distribuídos por todo o filme e eles entram em momentos adequados, dessa forma o filme consegue passar de forma eficiente os conflitos da vida de Clark e sua busca em conseguir se identificar em nosso planeta.

Com tal estrutura mais enxuta, sobra mais tempo para termos mais Superman em tela, desde Superman II de 1980 que não víamos bons conflitos do Homem de Aço, e aqui eles ocorrem com bastante frequência e na dimensão que de fato deveria ser, sendo assim, quando o Superman enfrenta Zod e seus capangas, não temos algumas janelas quebradas, temos prédios inteiros vindo a baixo.

Mas nem tudo são flores, temos alguns problemas, a primeira vez que Louis encontra seu salvador, tudo acontece em uma sequencia um tanto quanto forçada, além do fato de ser absolutamente inexplicável a exigência de Zod em levar Louis a sua nave. Outra parte que me incomoda é a insistência de compararem Superman a Jesus, o messias que veio a terra para salvar a humanidade, já haviam feito algo parecido no filme de Singer e aqui temos diversas referencias novamente, que nada acrescentam ao filme.

O elenco, de fato é um destaque interessante, se Russel Crowe confere firmeza e responsabilidade com seu Jor-El, Kevin Costner entrega um misto de sabedoria com sensibilidade com Jonathan Kent, de negativo, apenas a fraca Diane Lane como Martha Kent. Amy Adams além de bela, consegue mesclar bem o que deveria ser a Louis, uma jornalista brilhante que ajuda a humanizar o alienígena de Kripton. Já Henry Cavill é bastante eficiente, ele passa de forma satisfatória o peso da responsabilidade que seu personagem carrega e assim consegue ter uma atuação que o ajuda a fugir de qualquer comparação com Reeve.

Enfim, Homem de Aço é um filme que volta a empolgar os fãs do personagem, com uma roupagem nova trazida por Christopher Nolan e por Zack Snyder, o final onde vemos Clark no planeta diário é uma mostra que a realidade da qual Nolan sempre faz questão que esteja presente em seus filmes, acaba sendo bem vinda para o maior dos super-hérois, esperamos que a DC agora siga um rumo adequado ao seu maior produto.

 

Cotação: 8.5



Escrito por Escrito por Wendell às 18h38
[] [envie esta mensagem] []



O HOBBIT

 

Coisas boas sobre O Hobbit

Retorno a Terra Média

Tem partes bobas, mas no geral é divertido

Gandalf

Thorin

Batalha de charadas entre Gollum e Bilbo

Reunião entre Galadriel, Elrond, Gandalf e Saruman (Melhor parte do filme disparado)

 

Coisas ruins sobre o Hobbit

Sem ritmo

Personagens e sequencias descartáveis (Radagast?)

Quase todas as cenas são mais longas que o necessário

Roteiro inflado

Com exceção de Thorin, demais anões não tem personalidade alguma

Se acha O Senhor dos Anéis, mas não é

E por fim, os fãs hardcore que são tão chatos quanto as crepusculetes. Atacam a todos que criticam o filme, dizem que não leram o livro, que não entenderam, que não sabem de nada e etc, ou seja, assim como as crepusculetes são imaturos pra caralho, veem uma critica negativa ao filme cheia de argumentos para embasar a análise e apenas contra argumentam com a falácia “você não leu o livro (ou não entendeu) foi ao cinema pra ver Os Senhor dos Anéis e não O Hobbit”.

 

Ah, o filme, nota 7 no máximo.

 



Escrito por Escrito por Wendell às 01h37
[] [envie esta mensagem] []



Creio que esse ano de 2012 foi o ano que menos assisti filmes, devido a diversos outros fatores, o tempo foi escasso, dessa forma não foi fácil formar um TOP 10 completo dos filmes que mais gostei e é claro do que menos gostei durante 2012. Alguns filmes podem ter sido lançados oficialmente no final de 2011, mas como assisti apenas em 2012 entram na lista.

Melhores

1 - Argo

2 - O Espião Que Sabia Demais

3 - Drive

4 - As Aventuras de TinTim

5 - Os Vingadores

6 - Intocáveis

7 - Batman – O Cavaleiro das trevas Ressurge

8 - 007 – Operação Skyfall

9 - Millenium – O Homem que não Amava as Mulheres

10 – Anjos da Lei

 

Outros bons filmes

Missão Madrinha de Casamento

Muppets

Sherlock Holmes 2

O Ditador

Valente

Jogos Vorazes

Missão Impossível 4

 

Piores

1 - Árvore da Vida

2 - Battleship

3 - Desconhecido

4 - Histórias Cruzadas

5 – Cilada.com

6 – Lanterna Verde

7 - Premonição 5

8 - Cowboys and Aliens

9 - Amanhecer parte II

10 - Motoqueiro Fantasma 2

 



Escrito por Escrito por Wendell às 21h18
[] [envie esta mensagem] []



MERITOCRACIA, EXISTE MESMO ISSO?

 

Muito se fala hoje sobre a tal meritocracia, que tudo deveria se basear pela mesma, já que seria justo com aqueles que mais merecem que mais dão resultados, conseguirem algo melhor.

Pra mim não passa de desculpa para que principalmente empresas possam corroborar suas decisões baseadas no tal “foco no resultado”. Hoje se temos uma loja de eletrônicos, por exemplo, com dois vendedores, um deles escuta atentamente ao que o cliente deseja e somente indica aquilo que realmente suprirá as necessidades do mesmo, sem apelar para a famosa técnica da “empurroterapia” e outro vendedor que nem presta atenção no que o cliente esta pedindo, que indica produtos mais caros que não irão atender a necessidade do cliente e ainda mente sobre os benefícios desse produto, mais no final consegue fechar mais vendas baseado nessa falta de honestidade, quando existir uma vaga a um nível superior, qual dos dois vocês acham que conseguirá o novo posto? Meritocracia? A qualquer custo?

Meritocracia só existe de fato quando as bases e condições são exatamente iguais e quando tudo pode ser mensurável, que nada fique no subjetivo. Hoje não existe meritocracia alguma em empresas, vestibulares, escolas e na vida em si. Respeito àqueles que gostam da inspiração de frases de efeito do tipo “nunca desista de seus sonhos”, “Se você acreditar, com certeza irá atingir seus objetivos”, “se trabalhar duro e acreditar, seus sonhos irão se realizar” e assim por diante. Ok, claro que temos vários exemplos de pessoas que saíram do nada, para se tornarem empresários de sucesso, ou de pessoas pobres que venceram o problema social e se tornaram pessoas muito bem sucedidas e etc, porém para cada caso desses temos outros 100 exemplos de quem não conseguiu nada disso, não podemos tratar a exceção como a regra.

Portanto, desculpem a mensagem seca e nada inspiradora, mas a vida não é justa, não é verdade que se você acreditar e trabalhar duro, tudo dará certo no final, ser perseverante e ter um objetivo é uma coisa, achar que somente determinação vai obrigatoriamente te levar pra algum lugar como uma espécie de recompensa divina pelo esforço, é enganar a si mesmo.

 



Escrito por Escrito por Wendell às 22h31
[] [envie esta mensagem] []



AMANHECER PARTE II

 

Quem já leu as criticas anteriores que fiz a respeito dos filmes da Saga Crepúsculo, sabe que todos os filmes ficaram na minha lista de piores do ano, e que acho todos os filmes fraquíssimos, com menção especial a Amanhecer parte I, que vai além disso, é terrível. Dessa forma, Amanhecer parte II é o melhor exemplar da série, mas considerando o que sempre achei dos anteriores isso não pode ser levado de fato como um grande elogio, ele apenas melhorou o status do filme anterior, saiu de terrível para apenas ruim.

Nesse aqui continuamos a história de Bella já transformada, agora com uma filha que cresce mais rápido que o normal, e que ao saberem do ocorrido, os Volturis acham que a criança é uma imortal, o que seria um grave delito das leis vampirescas e começam a recrutar vampiros com o intuito de acabar com os Cullens, que também fazem o mesmo para se defenderem.

E quando digo vampiros, agora de fato não sei mais se a série se refere a esse ser mitológico. Já que nos filmes anteriores já havia comentado como a medíocre escritora da série deturpava a convenção do que era um vampiro. Nesse aqui ela leva isso a outro nível e os confunde com mutantes, já que agora cada um tem um poder distinto, o filme poderia ser rebatizado para Amanhecer Parte II – X-Men United. E por favor, não utilizem à desculpinha esfarrapada das crespusculetes que dizem que como vampiros de fato não existem, cada um pode fazer a leitura deles da forma que quiser. Não, Não, existe no mínimo uma convenção quando se trata de criaturas mitológicas que nunca existiram, você não pode fazer um filme sobre um coelhinho rosa que entrega ovos de chocolates a crianças e dizer que isso é um Lobisomem.

O filme conta com um clima bem light com Edward tentando ser engraçado a todo tempo e às vezes até solta umas tiradas engraçadinhas, o que já é um grande avanço para a estatua que ele foi nos filmes anteriores. Já Bella agora pelo menos parece que esta viva e não aquela pálida quase zumbi que já vimos anteriormente. Porém para uma séria que já arrecadou tanto dinheiro é quase imperdoável o efeito especial bizarro para criar a filha do casal Renesmee de forma digital enquanto era apenas um bebê, não entendo o porquê da não utilização de uma criança real.

E se há algo que de fato incomoda nesse filme, é a pedofilia de Jacob. E novamente não vamos nos render a explicações juvenis das crespusculetes dizendo que aquilo é normal entre lobos, o tal imprinting, que nada mais é que um lobo adulto se apaixonando (e não de forma afetiva como pãe, mãe, tio e etc), nesse caso por uma criança. Obviamente para disfarçar o ridículo da situação o filme mostra os dois “juntos” numa visão futura, quando a criança já esta adulta.

Mesmo com a inversão de vampiros para mutantes, são na verdade eles que deixam o filme mais interessante, fazendo parte do melhor momento do longa, onde temos uma ótima sequencia de ação, mesmo que higienizada para evitar uma classificação etária muito alta, o que tiraria uma boa fatia de seu publico alvo dos cinemas, a mesma é bastante satisfatória, embora faça parte do final do filme que nos remete a Premonição, e só deixa a conclusão do filme muito, mas muito covarde.

Assim chega ao final uma “saga” composta por cinco filmes, que nesse momento fazendo um retrospecto é perceptível que se tirassem todo aquele tempo perdido de Bella e Edward em seus momentos de romance infanto-juvenil e vilões desnecessários e desinteressantes dos filmes anteriores, a tal “saga” teria sua história facilmente contada em apenas um filme.

Cotação: 5.0

 

OBS: Se os filmes da “saga” Crepúsculo são ruins, eles na verdade se tornam legais perto dos irritantes fãs cegos da série. Praticamente em todos os filmes da série vistos no cinema, as meninas bobinhas e os moleques infantis, não conseguiam se segurar de conversar o tempo todo e em voz alta, e de expor para todos o que achavam de cada momento do filme com os típicos “haammm que lindo”, “Ai que fofo”, “mata ele, mata ele”, “Uhuuuuu”, ou dar gargalhadas exageradas apenas para mostrar que entenderam uma piadinha normal que qualquer criança de 3 anos e QI superior a 20 já conseguiriam entender e nem achariam tanta graça assim.

 



Escrito por Escrito por Wendell às 11h21
[] [envie esta mensagem] []



ARGO

 

Ben Affleck tem se tornado uma espécie de novo Clint Eastwood, apesar de não ter uma carreira como ator do nível de Clint, as empreitadas atrás das câmeras tem sido todas positivas. Medo da Verdade e Atração Perigosa são ótimos filmes, mas ainda pareciam ser uma espécie de laboratório para Affleck. Já em Argo, ele retira totalmente o rótulo de diretor experimental e entra de vez para o time dos competentes diretores atuais.

O filme conta a história baseada em fatos reais sobre a crise dos reféns americanos no Irã. No final dos anos 70, depois de um conflito diplomático os Iranianos invadem a Embaixada dos Estados Unidos em Teerã e sequestram 52 norte-americanos. Seis funcionários da embaixada conseguem sair e se refugiar na casa do Embaixador Canadense, obviamente sem o conhecimento do governo iraniano. Sabendo dos seis americanos refugiados, o departamento de Estado Americano articula o resgate de forma inusitada, simularam a gravação de um filme (falso) com locações no Irã e colocaram os funcionários da embaixada como parte da equipe, para que conseguissem deixar o país forma normal, sem uma intervenção militar

Atualmente com todo o controle online de imigração a ideia pode parecer absurda, mas no final da década de 70 e inicio de 80, o controle não era todo informatizado, Star Wars estava dominando o imaginário das pessoas, dessa forma o próprio departamento de Estado utiliza uma frase perfeita para descrever a operação “a melhor pior ideia que temos”.

Uma decisão corajosa de Affleck foi não dramatizar de forma muito pesada o filme, embora o tema tenha sido muito sério, toda a sequencia em Hollywood leva um tom muito mais light com ótimos momentos cômicos, todos eles protagonizados pelos geniais John Goodman e Alan Arkin, isso se torna mais claro em função da fotografia do filme, quando está em Hollywood vemos uma cidade com cores quentes, vivas, mostrando o bom momento da cidade cinematográfica naquele momento, quando voltamos para as cenas em Teerã, a fotografia já escurece e fica mais acinzentada, por motivos óbvios. Já Ben Affleck tem uma atuação contida, sem querer chamar atenção, e isso apenas torna todo seu desempenho ainda mais interessante.

Com um roteiro coeso em mãos, Ben Affleck acerta em cheio em suas decisões como diretor, utilizando o primeiro ato para explicar toda a situação politica, o segundo para mostrar como era grave a situação dos reféns, já que o governo iraniano chegava cada vez mais próximo de descobrir a existência dos mesmos e o terceiro ato para realizar de forma totalmente tensa a tentativa de fuga do país. O único problema fica pela omissão total da operação Garra de Águia, que foi uma tentativa militar de resgate dos reféns (todos eles) que foi um fracasso total, com queda de helicópteros, mortes e etc.

Sendo assim, Argo se torna a prova definitiva do talento de seu diretor e que Hollywood quando quer fazer filmes baseados de fato na realidade sem distorcê-la demais, eles têm competência pra isso. Ótimo filme

Cotação: 9.0



Escrito por Escrito por Wendell às 22h09
[] [envie esta mensagem] []



Glamourização da porcaria

Baseado no vídeo do Caue Moura de mesmo nome. (http://youtu.be/PGtX-2v9Ppk). Ontem quando estava vendo esse vídeo pela segunda vez, acabei tendo a curiosidade de ver o que os principais portais brasileiros tinham entre os destaques de suas noticias e o resultado é assustador.

Todas as noticias abaixo estavam no ranking das mais acessadas do dia em cada um dos portais mais acessados do Brasil. Mesmo que estivessem com mais destaque nos portais noticias sobre as eleições americanas, problemas no Enem, queda na bolsa com a noticia das elétricas, noticias sobre a violência em SP, Copersucar comprando a americana Eco-Energy e se tornando a maior empresa de etanol do mundo, enfim, mesmo com todas essas outras noticias claramente mais importantes e relevantes, todos os portais tinham entre suas mais acessadas a predominância absoluta da futilidade. E o maior culpado dessas besteiras ocuparem tanto espaço é sua, que dá page views para essas merdas. Olhem abaixo o nível da babaquice.

Yahoo

De quem é essa Barriga? (para que os visitantes vissem umas fotos de barrigas tanquinho de atrizes e tentassem adivinhar de quem era)

Ken Alfineta Barbie Humana (Um idiota que fez várias cirurgias plásticas para ficar parecido com o tal boneco Ken falando da versão feminina dele)

Globo.com

Duelo de corpões, Marcelo Novaes e Gata do paulistão tiram fotos na praia (autoexplicativo)

Lurdinha vai até o chão, confira tudo do baile (algo sobre a nova novela da Globo)

UOL

A Fazenda de Verão, Dan coloca xícara no bumbum de Isis (prefiro nem comentar)

Juliana Paes se despede das sobrancelhas da personagem Gabriela (Dããã)

IG

Helen Ganzarolli exibe boa forma ao lado do namorado e é criticada no Twitter

Noivo de Susana Vieira aparece em vídeo íntimo de ator de “Malhação”

Terra

De amassos a apalpadas, veja como foi à semana dos famosos

Com macacão curto, Sophie Charlotte grava comercial no RJ



Escrito por Escrito por Wendell às 18h40
[] [envie esta mensagem] []



FILMES VISTOS NOS ÚLTIMOS DIAS

 

007 – Operação SkyFall: Infinitamente superior ao anterior “Quantum of Solace”, mas ainda não no mesmo nível de “Cassino Royale”. Como comemoração dos 50 anos de James Bond, o filme inseriu algumas homenagens à série, contrastando o novo com o antigo e os destaques ficam por canta da aparição do Aston Martin antigo e da sútil referencia ao vilão Jaws. As cenas de ação são bem orquestradas, o vilão muito bem feito por Javier Bardem e Daniel Craig cada vez mais a vontade como James Bond, de fato o melhor desde Sean Connery. Enfim, bom filme, recomendado.

Cotação: 8.0

 

Gigantes de Aço: Nunca tive vontade de assistir o filme por puro preconceito, já imaginava algo chato, sem graça com uma história tola no mesmo nível de transformers, mas Gigantes de Aço surpreendeu positivamente, obviamente não é uma obra prima, mas tem bom ritmo, atuações honestas e é realmente divertido ver as tais batalhas de robôs.

Cotação: 7.0

 

Imortais: Realizado pelos mesmos produtores de 300, utilizam da mesma tecnologia para contar mais uma história sobre deuses do olimpo e etc, filme é arrastado, com atuações constrangedoras, uma montagem confusa e efeitos estéticos sem o menor sentido para a narrativa. Resumindo, chato pra caralho.

Cotação: 3.0

 



Escrito por Escrito por Wendell às 21h10
[] [envie esta mensagem] []



MELHORES TRILOGIAS DO CINEMA

 

No meu ranking de trilogias, faço da minha forma , sendo assim, poderão ver que em alguns casos existe um 4º filme ou mais, mas considero em todos os casos, sempre os 3 primeiros lançados. E sim, eu sei que o fato de lançar um quarto filme automaticamente deveria descaracterizar como trilogia, mas esse é um ranking pessoal e deixo dessa forma.

 

Poderoso Chefão

Star Wars (Original)

De Volta Para o Futuro

Senhor dos Anéis

Trilogia dos Dólares

Toy Story (Sim, ela mesma, e gosto muuuito dela)

Indiana Jones

Batman (Trilogia do Nolan)

X-MEN

10º Piratas do Caribe

 

Outras trilogias que também gosto:

Um Tira da Pesada, Bourne, Trilogia da Vingança, Matrix (embora o encerramento tenha sido fraco), Alien, O Exterminados do Futuro,  Star Wars (nova trilogia, apesar do Ep 1), Homem Aranha (apesar do ridículo 3º), Mad Max.

 



Escrito por Escrito por Wendell às 19h27
[] [envie esta mensagem] []



FILMES VISTOS NOS ÚLTIMOS DIAS

 

American Pie – Reencontro: Gosto do primeiro filme e depois as continuações fugiram do contexto e se tornaram filmes desprezíveis. Já esse “reencontro”, embora não seja bom quanto o original é melhor que as demais continuações, é no mínimo um filme regular com bons momentos.

Cotação: 6.5

 

Batalha dos Mares (Battleship): Baseado no jogo Batalha Naval, sim, Hollywood consegue tirar leite de pedra. O jogo é posse da Hasbro assim como Transformers, e Batalha dos Mares segue o mesmo enredo que o filme dos robôs, ou seja, efeitos especiais 10, roteiro e atuações 0.

Cotação: 3.0

 

Jogos Vorazes: Filmes baseado num best seller, e é bem interessante. Muito se falou da ótima atuação de Jennifer Lawrence, mas quem já a havia visto no excelente “Inverno da Alma” já sabia da competência da menina. Bom filme, com boas atuações, mas com um roteiro que tem alguns probleminhas.

Cotação 7.5

 



Escrito por Escrito por Wendell às 19h24
[] [envie esta mensagem] []



O CAVALEIRO DAS TREVAS RESSURGE

 

Em Batman Begins ao encontrar Bruce Wayne completamente perdido em sua tentativa de estudo do submundo do crime, Ra’s Al Ghul diz “Mas se você se torna mais que um simples homem, se você se dedica a um ideal, e se não conseguem detê-lo, você se torna algo totalmente diferente, uma lenda, Mr. Wayne, uma lenda”. Isso é a prova mais concreta que o diretor Christopher Nolan já havia no mínimo imaginado como encerraria essa releitura do homem morcego desde o primeiro filme, e como ele encerra a trilogia de forma digna, é uma história contada em três filmes e realizada de forma magistral.

Embora o roteiro de fato deste último filme seja até mais simples que o anterior, a quantidade de novos personagens faz com que a trama pareça muito mais complexa e se em o Cavaleiro das Trevas você achava que Gotham havia vivido seu momento mais tenso, espere para ver o que Bane realiza nesse filme. O Cavaleiro das Trevas Ressurge se passa oito anos após os acontecimentos de seu antecessor, uma lei criada a partir da morte de Harvey Dent colocou quase todos os criminosos de Gotham atrás grades e a cidade vive tempos de paz, até Bane iniciar seus planos de destruição e obrigar o Batman a sair de sua quase aposentadoria.

Selina Kyle (Anne Hathaway) como todos os trailers já entregavam é a nova versão da mulher gato, mas tudo inserido no mundo real criado por Nolan, ou seja, ninguém a chama mulher gato de fato é tudo bem implícito. Já Bane (Tom Hardy) surge grandioso, imponente, imprevisível e assustador, e a luta entre ele e Batman que ocorre na metade do filme é disparada o ponto alto do filme, naquele momento a trilha sonora baixa o som e surge parecida com “O Clube da Luta” onde ouvimos somente os sons dos golpes desferidos por ambos.

Nos filme anteriores já tinha ficado mais do que claro que Nolan decidiu por fazer um Batman com os dois pés fincados na realidade, ou seja, o espaço para as licenças poéticas que sempre são necessárias em filmes de fantasia, ficção e super-heróis foram bastante reduzidos, porém nesse último filme fica claro a escolha de Nolan em entregar algumas cenas para os fãs, e nossa entrega à descrença tem que ser um pouquinho superior aos filmes anteriores, obviamente que em nenhum momento fugindo ao clima dark e tenso já habitual e do qual já estávamos acostumado.

(SPOILERS ESTARÃO PRESENTES NOS PRÓXIMOS PARÁGRAFOS)

Impossível não seguir os comentários do filme sem entregar parte da trama e deste ponto em diante não farei questão de esconder nada.

Uma das principais preocupações para esse filme era o vilão, já que Heather Ledger e seu impressionante Coringa do filme anterior estabeleceu um nível altíssimo e Tom Hardy com seu Bane tinha a função de seguir o mesmo nível, e para felicidade de todos temos um grande vilão, não cabe à comparação já que ambos têm motivações totalmente distintas e a imponência de Bane é impressionante. Algo que não pode ser dito da sempre competente Marion Cotillard e sua Miranda Tate/Talia al Ghul, já que sua presença é sempre fraca e sua morte praticamente cartunesca.

E chegamos até esse ponto sem citar Bruce Wayne, com seu alter ego renegado ao esquecimento em função dos eventos do final de O Cavaleiro das Trevas, o mesmo se contra recluso na mansão e se vê obrigado a voltar à ação a pedido de Jim Gordon e em função das ações de Bane, e Christian Bale destaca esse momento de fardo do Batman de maneira magistral e sua relação de mestre e mentor com o novato policial Blake (Joseph Gordon Levitt) deixa isso bem claro.

Mas ao falar de atuações gostaria de citar duas delas que são muito importantes a trama, primeiro a composição de Tom Hardy faz para o vilão Bane, eu gostava daquela voz quase incompreensível do primeiro trailer que saiu, porém reconheço que seria difícil mantê-la no filme e a forma que Hardy compõe a nova voz dá naturalmente um ar de superioridade ao vilão e sua atuação fica restrita a seus olhares e forma de caminhar, de lutar e etc, já que o mesmo tem seu rosto praticamente coberto por sua máscara (você que viu o filme dublado o que tem a dizer sobre isso hein???). E por fim da atuação mais tocante e dramática de todo o filme, Michael Caine em dois momentos leva Alfred as lagrimas e certamente muito dos espectadores, é perfeito a maneira que ele se relaciona com Bruce Wayne.

E finalmente sobre o final do filme, primeiramente Nolan dá aos fãs a presença de Robin através do novato policial Blake, porém assim como Selina Kyle, é um Robin a lá Nolan. E no final Bruce Wayne morre ou não? Existe sim uma dualidade no final, embora as mesmas não sejam 50/50 em suas chances, obviamente os acontecimentos que nos levam a crer que Wayne está vivo são mais fortes do que o contrário, a atualização do piloto automático do Bat, a indicação da caverna ao Robin e o mais forte, a presença de Selina Kyle na visão final de Alfred, mas isso apenas sugere, mas não confirma cabalmente que ele esta vivo, deixando espaço para interpretação de sua morte, e sempre acho isso muito elegante, um final não 100% fechado. Porém isso com relação a Wayne, por que Batman, esse sim morreu, e assim como Ra’s al Ghul disse lá no inicio do primeiro filme, ninguém o deteve e ele se tornou algo muito maior que um simples homem ou uma imagem, ele se tornou uma lenda.

Cotação: 9.5

 



Escrito por Escrito por Wendell às 23h21
[] [envie esta mensagem] []



O ESPETACULAR HOMEM ARANHA

(SPOILERS - ELES ESTARÃO PRESENTES)

Em 2002 estreava Homem Aranha nos EUA batendo o recorde de bilheteria de estreia, contava todo o inicio da história de Peter Parker e como ponto negativo apenas seu vilão sem personalidade. Depois teve sua sequência em 2004, num filme praticamente perfeito e por fim, um terceiro capitulo em 2007, esse sim completamente desastroso. Porém mesmo com uma última impressão bastante negativa, a história do adolescente mordido por uma aranha radioativa, estava totalmente clara para todos, dessa forma um reboot desde o inicio era totalmente desnecessário, concordo que era preciso uma renovação, mas que deveria já começar com o homem aranha de fato e não contando a história do Peter Parker novamente.

Nesse novo filme do super herói, “O Espetacular Homem Aranha”, temos um completo Dejá Vú, já que toda a história de como Peter se transforma no Homem Aranha quase que repete o filme de 2002, com algumas sutis mudanças, como o lançador de teia por exemplo. Nesse caso temos alguns momentos de grande artificialidade, como na importante revelação de Peter a Gwen, sem saber quase nada sobre as habilidades do herói, segundos depois de se revelar para a moça ele já pula da cobertura de um prédio sem que ela esboce qualquer preocupação com isso. Mas mesmo diante desses casos, ainda gosto mais da química entre Peter e Gwen Stacy desse filme do que a com Mary Jane dos filmes de Sam Raimi.

Além do reboot totalmente desnecessário, a Sony ainda comete um erro mais grave, a propaganda enganosa da campanha de marketing anunciou como motivo para tal reboot que contariam uma história até então não conhecida, a dos pais de Peter Parker, porém isso só fica somente na promessa e gera mais duvidas sobre os mesmos do que qualquer esclarecimento. As perguntas ainda permanecem, quais eram as responsabilidades dos pais de Peter na Oscorp? Peter de fato sabia da morte deles e das circunstancias da mesma? Qual era a tal verdade sobre eles da qual o filme não esclarece?

Mas nem tudo é problemático, Gwen Stacy é definitivamente mais interessante que a insossa Mary Jane, assim como a interpretação de Emma Stone é bastante consistente. Já o vilão lagarto tem bons e maus momentos, não ruim como os vilões de Homem Aranha 3, mas esta anos luz do ótimo Dr. Octopus de Homem Aranha 2. Mas de fato o mais interessante nesse filme é nova percepção que temos de Peter Parker, mais imaturo e sendo assim mais real, afinal nos dias atuais caso algum adolescente se visse da noite para o dia com super poderes, não seria difícil de imaginar que ele seria um tanto quanto inconsequente de inicio até aprender certas responsabilidades com o tempo, e esse novo Parker é exatamente assim, em alguns momentos chega a trollar geral no filme e Andrew Garfield é o grande responsável por isso, uma escolha bem mais interessante que Tobey Maguire.

Enfim, O espetacular Homem Aranha, de espetacular não tem nada, é um filme que fica no meio termo com relação aos anteriores, temos avanços e retrocessos, mas que apesar dos tropeços ainda é um dos super heróis mais interessantes do cinema.

Cotação: 7.0

 



Escrito por Escrito por Wendell às 19h59
[] [envie esta mensagem] []



A FALTA DE CRENÇA

 

Esse é um tema delicado, mas que gostaria de deixar o meu posicionamento o mais claro possível, para que ninguém me julgue e para que eu também pare de julgar.

Não tenho mais religião, em minha família a maioria é de messiânicos, uma importante parte é católica e devem ter alguns evangélicos também. Quando jovem fiz parte da igreja messiânica, iniciei catecismo na católica, enfim, atualmente não sigo nenhuma e pelo contrário, há muito tempo sou um ateu agnóstico, sim os dois, as duas definições não são conflitantes, a pessoa não é somente ateia ou agnóstica, pode ser ambas e abaixo explicarei o porquê, e o que também de forma indireta já irá explicar porque eu sigo essa filosofia.

Muita gente infelizmente desconhece o que de fato é ser ateu, acham que os ateus “sabem” com 100% de certeza que deus não existe e por isso não acreditam no mesmo, mas não é bem assim, existe uma diferença entre acreditar na ausência e duvidar da existência, pode parecer que ambas são sinônimas, mas não são, e o ateu na realidade duvida da existência. Mas para isso deixarei mais claro abaixo a diferença entre saber e acreditar e como tais definições deixam as portas abertas para as pessoas sejam agnósticas e ateias ao mesmo tempo.

Saber é aquilo onde você inevitavelmente precisa da prova concreta, cabal para julgar, isso vem da gnose que significa saber, ter o conhecimento, dessa forma agnose é o oposto, é não saber, no sentido literal, de não ter 100% da evidencia. Acreditar já nos leva para o lado da crença, quando você acredita em algo você esta levando em consideração suas experiências pessoais e indícios que o leva a crer/acreditar em algo, mas do qual você não tem evidências cabais que corroboram aquilo.

Sendo assim eu me pergunto. ‘Eu sei que Deus existe?’ – Não, eu não sei. Portanto eu sou agnóstico sobre a existência de Deus. ‘Eu acredito que deus exista?’ – Também não, logo eu sou ateu. Dessa forma eu sou um ateu agnóstico. Mas para continuar com o exemplo, tais definições não se limitam a deus, ‘Eu sei que duendes existem?’ não, não sei, então sou agnóstico a existência de duendes, ‘Eu acredito que eles existem?’ não, logo eu sou um adueu ou sei lá qual é o termo para definir a descrença em duendes. Mas para finalizar com um último exemplo, ‘Eu sei que existe vida extraterrestre?’ não, eu não sei, logo sou agnóstico a ET’s, ‘Eu acredito que exista?’ sim, eu acredito, logo eu seria um Etista, ou sei lá que termo que defina quem acredita que possa existir vida em outros planetas, sistemas, galáxias e etc.

Agora para deixar claro que o fato de não saber algo não significa que esta 50/50 a chance da existência, no exemplo dos duendes por exemplos, eu não sei se eles existem, levando em conta que para saber de fato é preciso a comprovação literal do fato, mas é óbvio que a chance de eles não existir é muito, mas muito superior do que de existirem, é 99,99% de um contra 0,01% do outro, e nessa mesma proporção pra mim esta Deus. As religiões sempre tentam inverter o ônus da prova e perguntam “Prove que Deus não existe?”. Levando essa falácia em consideração, para negar a existência de duendes, Pé grande, Saci Pererê, papai Noel e etc, teríamos que comprovar que eles não existem, ou seja, sabemos que eles não existem por pura questão lógica e quem disser que acredita que precisa mostrar alguma evidência ou prova disso, e porque com Deus seria diferente?

Enfim, baseado no meu pensamento lógico, das leituras que já fiz da bíblia, da qual essa sim deixa absolutamente impossível acreditar e seguir aquele Deus, e da minha filosofia de vida onde acredito que não preciso temer a nada para seguir uma vida com princípios éticos e morais, que me considero um ateu agnóstico.

Dessa forma cada um segue a crença ou descrença que quiser, já julguei anteriormente e jamais voltarei a fazê-lo, somente uma coisa que pra mim é inaceitável, argumentos (ou melhor a falta deles) religiosos em caso de políticas publicas, de saúde e etc, como, ouvir lideres religiosos em casos de aborto, não respeitar a laicidade do Estado e etc, isso é intolerável e inaceitável, independente do que você acredita ou deixa de acreditar, da religião que você segue ou deixa de seguir.

 



Escrito por Escrito por Wendell às 23h15
[] [envie esta mensagem] []



CORINTHIANS - CAMPEÃO DA LIBERTADORES 2012

 

Como disse, hoje começaria um novo blog da forma que ele nasceu, para falar ‘principalmente’ de cinema, mas não somente de. E para começar os posts sobre os outros assuntos nada melhor que falar de . . . CORINTHIANS.

Depois de muita dificuldade, fomos campeões da libertadores, ao contrário do que todos prevíamos, nem foi tão sofrido assim, foi tenso, mas não sofrido. Mas não gostaria de focar o post no titulo afinal ele é importante sim, títulos ajudam grandes times a ficarem maiores, jamais irei deixar de reconhecer isso, mas somente títulos não fazem um time ser grande, ele precisa de algo mais para se classificar dessa forma, e isso o Corinthians sempre teve. Sempre teve uma torcida diferenciada, e nessa parte as demais torcidas sempre torceram o nariz dizendo que não temos o monopólio da paixão a um clube, do sofrimento e da alegria, verdade, não temos, porém torcemos diferente e falarei o porquê aqui, reconheçam nossos rivais ou não.

Quando digo que torcemos diferente, primeiro temos que analisar como os demais torcem, e nisso vou me ater aos nossos rivais paulistas somente, nesses casos estou falando de forma generalizada sabendo que isso obviamente não representa o comportando de 100% dessas torcidas, mas que é o comportamento de sua maioria absoluta.

 Santistas, sim eles gostam, amam seu time, mas o Santos tem em sua história jogadores que sempre foram maiores que o clube, novamente, gostem os santistas ou não, mas assim como publicou uma revista, caso não tivesse existido Pelé o Santos talvez fosse uma Ponte Preta ou Portuguesa atualmente. Nesse momento a mídia fala de Neymar muito mais que do Santos e isso é apenas um reflexo de um time que é grande em função de sua história e seus títulos, mas pequeno em sua forma de ser. Já o Palmeiras talvez seja aquele que mais se aproxima do Corinthians, o maior rival, aquele que nutrimos um respeito como tal, que ganhar dele é muito mais importante e perder muito mais doloroso, a diferença nesse caso fica apenas no gigantismo da torcida de um e quanto modesta é a o outro.

Nisso para enfim chegarmos aos torcedores do São Paulo F.C. eles são diferenciados assim como os corintianos, mas no modo negativo. Novamente, sabe-se que o que irei falar não representa 100% dos são-paulinos, mas diria sem muito pudor que representa pelo menos uns 70%. Sua torcida é que mais tem variações positivas e negativas nas pesquisas, ou seja, sempre quando o time está bem ela cresce rapidamente, assim como o índice de pessoas que dizem não torcem para ninguém decresce, e o contrário também é verdadeiro, ou seja, são os modinhas do futebol, torcem somente na vitória, atualmente criticam o Corinthians e falam de dinheiro público na construção do estádio, mas se calam quando citamos a história da construção do Morumbi, torcem mais contra o Corinthians que a favor de seu próprio time, acham que toda sua torcida é formada por pessoas ricas e instruídas e na verdade não percebem que ao fazerem isso mostram toda a ignorância de quem se quer conhece a realidade do país que mora, tem uma soberba absoluta, não são torcedores do clube, são torcedores dos resultados dele, ou seja, quando eles são negativos se escodem.

Tudo isso para chegarmos ao Corinthians. Sim torcemos diferente, gostamos de títulos, adoramos comemorar, torcemos contras nossos rivais (mas jamais damos mais importância a eles do que a nós mesmos), mas o que mais nos deixa feliz é reconhecer outro corintiano, o “aqui é Corinthians” virou sinônimo de simplicidade, virou a cara do Brasil, sabe quando alguém te convida para entrar na casa dele e fala, não reparem na bagunça, soltamos “Aqui é Corinthians”, quando lhe oferecem uma carona e dizem que o carro é velho, dizemos “Aqui é Corinthians”, entendeu, pegou o significado? Nas ruas, gostamos de nos reconhecer e não temos vergonha de falar com estranhos, corintianos não são estranhos uns para os outros, se estamos mal conversamos que temos que melhorar se estamos bem, bom nesse caso um “vai Corinthians” já é mais que o necessário, o outro sabe o que está por trás dessa simples afirmação.

Enfim hoje somos uma nação, como nenhuma outra no Brasil, na mesma medida que despertamos a paixão também fazemos aflorar um ódio incrível em nossos rivais, mas entendo perfeitamente, afinal não é fácil não ser corintiano, não é fácil não torcer por um time que tem gente falando dele o tempo todo, que está na TV o tempo todo, que consome mais tempo nas mídias que todos os demais rivais juntos e o mais importante, têm sua torcida caminhando para se tornar maior que a dos três rivais estaduais juntas, e isso sim é ser gigante. Libertadores; sim ela é importante e queremos ganhar mais, ela é a coisa mais importante? Jamais trocaria 1% de nossa torcida por nenhuma libertadores nesse mundo, afinal “Aqui é Corinthians”.

 

PS: AGORA TENHO UMA APOSTINHA PRA PAGAR,,,RSRS.

 



Escrito por Escrito por Wendell às 00h28
[] [envie esta mensagem] []



ALGUMAS DICAS DE SITES SOBRE CINEMA

 

Cliquem nas imagens para acessar cada site.

 

Maior banco de dados da internet mundial sobre cinema.

 

Excelente site para verificar bilheterias.

 

Ótimo site para quer criticas do mundo todo e ver se tal filme esta sendo bem recebido ou não pelo criticos.

 

O mais antigo portal de cinema da internet brasileira e conta com textos do ótimo critico Pablo Villaça.

 

Omelete melhorou muito nos últimos anos, assim como seu trio de criticos e não falam somente de filmes, mas também de séries, video games, músicas e etc.



Escrito por Escrito por Wendell às 20h54
[] [envie esta mensagem] []



[ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]





Meu perfil
BRASIL, Sudeste, MAUA, VILA EMILIO, Homem, de 26 a 35 anos, Portuguese, English, Cinema e vídeo, Esportes
MSN - WENDELL ANDRADE



Histórico
Votação
Dê uma nota para meu blog


Outros sites
CINEMA EM CENA
Box Office Mojo
Rotten Tomatoes
N.Y. Times
Newsweek
Folha de SP
Jovem Nerd
Sua Pesquisa
Wikipedia
Kibeloco
IndekX (todos os jornais do Mundo)
Omelete
Roger Ebert